A Alemanha espera receber 800 mil refugiados neste ano – e uma parte deles terá onde ficar. Um grupo organizou uma espécie de Airbnb, que combina pessoas dispostas a dividir suas casas com os recém-chegados ao país.

Tem dado tão certo que representantes da iniciativa, a Refugees Welcome, dizem estar recebendo mais ofertas de ajuda do que imaginavam. E agora têm planos de expandir o projeto para outros países europeus.

Há interessados em replicar a experiência na Grécia, em Portugal e no Reino Unido, segundo reportagem do jornal britânico "The Guardian".

O sistema, que nasceu em novembro do ano passado, recebe imigrantes de países como Afeganistão, Burkina Faso, Mali, Nigéria, Paquistão, Somália e Síria.

Créditos:

Campo de refugiados sírios na fronteira com a Turquia (foto: Divulgação)

Segundo os organizadores, o perfil das pessoas que estão dispostas a abrigar imigrantes é variado. Há consultores, estudantes e carpinteiros com idades entre 21 e 65 anos.

Experiência como essa ganham força no momento em que a Europa assiste à chegada de milhares de refugiados, que chegam em condições precárias. Muitos sírios, que tentam cruzar o oceano para chegar à Grécia, morrem afogados no percurso.

Ontem, a imagem de Aylan Kurdi, um sírio de 3 anos, morto em uma praia da ilha grega de Kos após um naufrágio, ganhou as redes sociais e evidenciou ao mundo o drama de quem tenta sair de zonas de conflito.

Por QSocial