O militar da reserva Eduardo Cabral, de Guaratinguetá, no interior de São Paulo, decidiu entrar na faculdade para dar apoio a seu filho, que é autista. O rapaz citava problemas de socialização no curso de gestão empresarial. Assim, eles viraram colegas de classe e estão estudando juntos no quarto semestre de gestão comercial da unidade local da Fatec (Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá).

Créditos: reprodução/arquivo pessoal/Eduardo Cabral

Pai de jovem autista entra na faculdade com ele para apoiá-lo em cidade do interior de São Paulo

Hoje com 22 anos, Érick foi diagnosticado com autismo quando tinha 7 anos, de acordo com informações do site G1. Ele foi aprovado em gestão empresarial na mesma faculdade e ingressou sem a presença do pai. Em 2015, quando estava no segundo semestre, passou a apresentar tristeza devido a problemas de relacionamento com colegas de classe.

"Era muito difícil para mim", afirma o pai. Após notar o desânimo do filho, Cabral teve a ideia de ambos estudarem juntos, a fim de dar suporte ao filho. "Ele queria desistir e eu não podia deixar isso acontecer", diz o militar da reserva.

Créditos: reprodução/site Fatec Guaratinguetá

Pai de jovem autista entra na faculdade (foto) com ele para apoiá-lo em cidade do interior de SP

O pai prestou o vestibular em 2016 e entrou em um curso superior pela primeira vez. Depois da aprovação e da transferência do jovem para o mesmo curso, eles começaram a estudar na mesma classe. "É uma experiência fantástica", conta o filho, que passou por sete escolas antes de se formar no ensino médio. Na maioria das vezes, afirma que não foi bem acolhido.

Cabral elogia a melhora do filho após tantas mudanças. "É muito gratificante, ele tem potencial, nós só estamos tentando achar o melhor caminho para ele."

Leia a reportagem completa no G1

Mãe faz apelo e rapaz com Down recebe 30 mil cartões de aniversário