Vamos ser honestos: quantos de nós realmente leem os termos e condições quando assinamos alguns contratos? Bem, 22 mil pessoas se inscreveram involuntariamente para realizar mil horas de serviço comunitário em troca de Wi-Fi gratuito.

Créditos: @davidmariuz/iStock

Até compromisso de limpar banheiros constava de contrato de Wi-Fi

No Reino Unido, o provedor de Wi-Fi público Purple adicionou um termo em sua rede para ilustrar a “falta de consciência do consumidor” ao se registrar em portais de Wi-Fi gratuitos.

Ao assinar, os usuários inconscientemente concordaram com uma "cláusula de serviço comunitário" que os leva a realizar serviços de limpeza, abraçar animais perdidos e pintar caracóis.

“O usuário pode ser obrigado, a critério do Purple, a realizar 1.000 horas de serviço comunitário. Isso pode incluir o seguinte: limpeza de resíduos animais em parques locais; fornecer abraços para gatos e cachorros perdidos; aliviar manualmente bloqueios de esgoto; limpeza de banheiros químicos em festivais e eventos locais e de revestimentos de caracóis para iluminar a existência deles; raspar chiclete nas ruas”, diz a cláusula.

Surpreendentemente, uma pessoa ao longo de duas semanas percebeu a condição.

Créditos: @Eugene03/iStock

Você abraçaria um gato na rua só para poder usar o Wi-Fi?

"Os usuários de Wi-Fi precisam ler os termos quando se inscrevem para acessar uma rede. Em que concordam, quantos dados compartilham e qual a licença que dão aos provedores? Nosso experimento mostra que é muito fácil ticar uma caixa e consentir algo injusto ", diz Gavin Wheeldon, CEO da Purple.

Felizmente, a empresa não tem intenção de forçar ninguém a limpar banheiros ou pintar caracóis. Que alívio.

Com informações do “Mashable