O paulista Zeus dos Santos tinha 25 anos em 2015, quando descobriu que estava com um câncer em estágio avançado no sistema linfático. O advogado fazia quimioterapia quando resolveu mudar seu modo de ver a vida --e mudar de profissão. O rapaz estudou durante o tratamento e, agora, cursa medicina na Unicamp.

Créditos: reprodução/arquivo pessoal

Inspirado por quem o ajudou, advogado com câncer muda de profissão e passa em medicina

Na ocasião, ele era recém-formado em direito pela USP, de acordo com informações do site G1. “Tive amigos fantásticos, que me ajudaram a não colocar o câncer como sentença de morte”, relembra o rapaz. “Houve dificuldade em encontrar remédios e eles entraram com ação na Justiça. Foi tudo pesado, terrível. Se o inferno existe, está ali.”

Santos passou a perceber como os enfermeiros e seu médico foram fundamentais para que ele enfrentasse a situação com coragem. Foi quando decidiu, naquele mesmo ano, prestar o vestibular. Não passou --e não desistiu. Mesmo fazendo quimioterapia, se matriculou em um cursinho. Usava máscara hospitalar nas aulas, para evitar contrair alguma doença. “Enfrentei preconceito”, conta.

Créditos: reprodução/arquivo pessoal

Advogado com câncer muda de profissão e passa em medicina; na foto, Santos posa com a mãe

Na semana do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), ele passou por uma série de eventos negativos: terminou o namoro de quatro anos, perdeu a avó --que morreu na véspera da prova-- e viu seu pai, ex-dependente químico que já havia sido preso, ser levado para a delegacia sob suspeita de homicídio.

“Saí da delegacia e fui direto para a prova”, diz o estudante. “Meu pai insistiu que eu deveria tentar fazer o exame. Fiquei no banheiro do local de prova por uma hora e meia, chorando. Sabia que, com tudo aquilo, meu desempenho não seria suficiente para ser aprovado em medicina.” Porém, ele foi aprovado.

“Quero poder ajudar os outros como eles fizeram comigo”, explica Santos sobre sua decisão, citando a equipe médica. “Apesar de eu ter sofrido durante o câncer, foi uma experiência incrível. Me curou do mal de ser arrogante, de achar que sou dono de tudo.”

Leia a reportagem completa no G1

Machucado e com bala alojada, aluno do Piauí vai às aulas na maca