A astrofísica Jocelyn Bell Burnell, uma das mais prestigiadas do Reino Unido, resolveu doar o prêmio de R$ 12 milhões que ganhou esta semana ao ser anunciada ganhadora do Breakthrough Especial de Física Fundamental, um dos mais prestigiados e lucrativos prêmios para a ciência moderna, para que mais mulheres, minorias étnicas sub-representadas e estudantes refugiados se tornem cientistas.

Créditos: Divulgação/Royal Society

 Jocelyn Bell Burnell teve participação-chave em pesquisa sobre objetos cósmicos que iluminam o céu

O prêmio é um reconhecimento tardio por sua contribuição para a área. Em 1968, quando ainda era uma estudante de doutorado na Universidade de Cambridge, Jocelyn teve participação-chave em pesquisa sobre objetos cósmicos que iluminam o céu, como a descoberta dos “pulsares“, estrelas de nêutrons capazes de transformar energia rotacional em energia eletromagnética.

À época, dois de seus colegas de pesquisa ganharam o Nobel de física, mas a britânica ficou de fora, mesmo tendo sido a primeira a identificar o objeto.

“Eu não quero nem preciso do dinheiro e me pareceu que esse fosse, talvez, o melhor uso que eu poderia dar a ele", disse Burnell à BBC News, afirmando acreditar que grupos como esses podem fazer a diferença com novas ideias nessa área do conhecimento.