Quem mora no Rio de Janeiro sabe que nesta época do ano a cidade vira um caldeirão. É comum a temperatura passar dos 40ºC. Quem não tem ar-condicionado em casa sofre com o calorzão.

É o caso do vendedor Marcos Viana, que mora e trabalha em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, que tem um filho com paralisia cerebral que sofre ainda mais com as temperaturas elevadas do verão.

Mas um ato de generosidade e compaixão de dois policiais militares do 7ºBPM (São Gonçalo), o pequeno Carlos André, 12 anos, ganhou um pouco mais de conforto.

Créditos: Arquivo pessoal

Sargento França Junior e Cabo W. Coutinho no momento da doação do ar-condicionado para Marcos Viana, que tem um filho especial

De acordo com reportagem do jornal “Extra”, o sargento França Junior, 47 anos, se sensibilizou como o caso e decidiu, com ajuda de seu parceiro de policiamento, o cabo W. Coutinho, doar um aparelho de ar-condicionado para Marcos.

“Fui para casa com isso na cabeça aquele dia. Depois, conversei com meu parceiro de guarnição, o Cabo W. Coutinho, e ele topou dividirmos um ar para o rapaz. Mas antes, deveríamos perguntar se ele conseguiria manter o presente”, disse França ao jornal carioca.

“ Hoje em dia é muito difícil alguém chegar e fazer uma doação como essa. Quando eles chegaram, eu estava comentando que não estava aguentando de calor. Fiquei sem acreditar. Já instalamos o ar-condicionado e, agora, o meu filho consegue dormir tranquilamente! Sou muito grata a estes policiais” contou Marcos.