Troca Solidária de alimentos na praça Demétrio Ribeiro, em Porto Alegre

Créditos: Luciano Lanes/PMPA

Troca Solidária de alimentos na praça Demétrio Ribeiro, em Porto Alegre

logo_inova_slogan

Créditos: logo_inova_slogan

Iniciativas simples que engajam pessoas, comunidades, escolas e empresas para reduzir a geração de resíduos começam a se multiplicar pelo Brasil.

Em Porto Alegre, o projeto Troca Solidária, que troca 4 kg de embalagem longa vida, papéis, plásticos, metais e vidros por 1 kg de hortifrutigranjeiros ou 2 livros, comemora a arrecadação de 11.699 kg.

A ação "visa estimular a correta separação dos resíduos recicláveis dos orgânicos nas comunidades e nas escolas da capital”, explica Gustavo Fontana, diretor-geral do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) da Prefeitura de Porto Alegre. Foram 24 ações, que distribuíram, no ano passado, 2.114 livros e 1.975 kg de alimentos.

[img class="size-large wp-image-42870" src="https://queminova.catracalivre.com.br/wp-content/uploads/sites/2/2016/04/Troca-Solidária-de-Livros-na-EMEF-Professor-Anísio-Teixeira-crédito-Ricardo-Giusti-PMPA-1024x683.jpg" alt="Troca Solidária de livros na EMEF Professor Anísio Teixeira, em Porto Alegre" width="1024" height="683" ]

Troca Solidária de livros na EMEF Professor Anísio Teixeira, em Porto Alegre[/img]

Para participar do Troca Solidária, é preciso se cadastrar e fazer um curso ministrado pelo Serviço de Assessoria Socioambiental. Além disso, a comunidade deve adotar um espaço usado para descarte irregular de lixo, que passará por melhorias da DMLU. “A limpeza da cidade é uma responsabilidade compartilhada entre o poder público e a sociedade”, explica.

“Pela iniciativa, cria-se um polo de solidariedade e responsabilidade ambiental”, unindo a prefeitura, os produtores rurais locais _ que doam os alimentos_, os empresários _ que doam os livros _, as comunidades beneficiadas, as escolas e as unidades de triagem, que recebem a totalidade dos resíduos recicláveis decorrentes do projeto.

O projeto prioriza comunidades e escolas municipais onde a coleta seletiva é baixa ou inexiste e já conseguiu a redução de 40% dos focos de descarte irregular de resíduo. Mas, por estar em ano eleitoral, o Troca Solitária só retoma em outubro. “A ideia não é a troca pela troca, dar alimento ou livro para a população, mas sim incentivar a cultura ambiental.”

Por QSocial