orgânico armazenado por moradores do Rio

Créditos: divulgação

Ciclistas da Ciclo Orgânico coletam baldes com lixo orgânico armazenado por moradores do Rio

logo_inova_link

Créditos: logo_inova_link

Quando perguntavam para Lucas Chiabi o que ele queria ser quando crescesse, sua resposta surpreendia: motorista de caminhão de lixo. Como ele sempre gostou de construir coisas, achava que, com uma quantidade enorme de materiais que as pessoas descartam todo dia só para ele, “poderia fazer mil coisas”. Não estava errado.

Mas foi estudando compostagem no projeto de extensão do curso de engenharia ambiental da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) que o universitário começou a moldar seu sonho de criança. Sem espaço para reciclar em casa seu lixo orgânico, ele levava, todos os dias, os resíduos para a composteira da faculdade.

“Vi que era uma solução simples e prática para os meus pais e para outras pessoas que queriam dar um destino correto ao lixo, mas não sabiam como”, conta. Foi quando Lucas idealizou a Ciclo Orgânico, empresa que recolhe de bicicleta, nas residências do Rio de Janeiro, resíduos orgânicos para serem transformados em adubo.

Em dez meses de atuação, a iniciativa já atende 260 famílias, que pagam R$ 60 por mês pela coleta de um balde onde separam o material orgânico gerado ao longo da semana. No fim do mês, recebem uma cartinha informando quanto de resíduo foi recolhido, quanto de composto foi gerado e quantas emissões de CO₂ foram evitadas.

[img class="size-large wp-image-45899" src="https://queminova.catracalivre.com.br/wp-content/uploads/sites/2/2016/08/Ciclo-2-1024x683.jpg" alt="Como recompensa, clientes recebem, todos os meses, sacos com adubo ou muda de tempero" width="1024" height="683" ]

Como recompensa, clientes recebem, todos os meses, sacos com adubo ou muda de tempero[/img]

“E, para que todos entendam o ciclo do lixo, ele termina com uma recompensa: em forma de adubo, muda de tempero _ alecrim, hortelã, manjericão, salsinha, cebolinha _ ou doando o composto para um produtor orgânico”, explica Lucas, que tem como meta fechar 2016 com 450 famílias engajadas e 2017 com 2.000.

Atualmente, a Ciclo Orgânico recolhe entre 4 e 5 toneladas de material orgânico mensalmente, que geram 3 toneladas de composto. Segundo o estudante, que trabalhou na Vide Verde (empresa responsável pela compostagem mensal de 1.500 toneladas de grandes empresas cariocas), no Rio, a estimativa é que uma pessoa produza, em média, 1,3 kg de lixo por dia, sendo metade dele de matéria orgânica.

O resíduo orgânico coletado em 260 residências produz 3 toneladas de adubo por mês

Créditos: divulgação

O resíduo orgânico coletado em 260 residências produz 3 toneladas de adubo por mês

Os três ciclistas que trabalham para Lucas levam os baldes, recheados com cascas e restos (ovo, frutas, verduras e legumes, além de café e guardanapo) para as composteiras mais próximas: Botafogo, Humaitá e Jardim Botânico. “Metade do adubo é doado para o próprio local, em geral parque ou escola pública, para ser usado no plantio de árvores ou hortas, e a outra metade é devolvido aos clientes, doado ou vendido.”

Hoje o sonho de Lucas não é mais ser motorista de caminhão de lixo. Como empreendedor, idealiza uma cidade inteira separando o lixo orgânico para ser recolhido por ciclistas, num ciclo orgânico sustentável. “Quero ver esse modelo sendo replicado, mas ainda não sei como, se por franquia ou política pública.”

Por QSocial