"Qualquer coisa é possível", disse o britânico Ian Toothill, de 47 anos,  que, com um câncer terminal no intestino, escalou o Monte Everest, a maior montanha do mundo com 8,8 mil metros de altitude.

Créditos: Arquivo pessoal

Ian Toothill tornou-se o primeiro doente terminal de câncer a escalar o Monte Everest

Diagnosticado com a doença em junho de 2015, Ian ouviu os médicos dizendo que ele só teria entre quatro e 24 meses de vida. Dois anos depois, realizou seu sonho. "Eu estou determinado a provar que qualquer coisa é possível, não importa a situação", contou à imprensa.

A aventura aconteceu graças a uma campanha de financiamento coletivo intitulada "Climbing Everest for Cancer" (Escalando o Everest pelo Câncer), que recebeu cerca de R$ 148 mil. Uma parte do valor foi usada na expedição e o restante foi doado para a Macmillan Cancer Support, uma instituição não governamental que dá auxílio médico e psicológico a pessoas com câncer.

Por Sofia Oliveira Azi e Quézia Dias Souza, da escola Concept Salvador

Apple lança iPhone vermelho para ajudar portadores do HIV