A jornalista paulistana Talita Ribeiro fez em novembro uma viagem diferente: visitou campos de refugiados no Oriente Médio, em sua maioria pessoas que foram afetadas pelo Estado Islâmico e por conflitos na Síria.

A jornalista Talita Ribeiro entrega balões a refugiados em campo no Curdistão Iraquiano

Créditos: Marco Gomes

A jornalista Talita Ribeiro entrega balões a refugiados em campo no Curdistão Iraquiano

Segundo a ONU, neste ano, só a Europa recebeu 1 milhão de pessoas forçadas a sair de seus países devido a conflitos e perseguições. É o maior volume desde a Segunda Guerra.

O “turismo de empatia”, como ela chama, tinha um objetivo: transformar as histórias coletadas na Jordânia, no Curdistão Iraquiano e na Turquia em um livro.

Talita conta que as crônicas foram sendo feitas durante a jornada, enquanto vivia as experiências. “São textos sentimentais – não piegas –, sobre as experiências e reflexões que tive durante a viagem.”

Jovens da minoria religiosa Yazidi, vítimas do Estado Islâmico, em campo de refugiados do Curdistão Iraquiano

Créditos: Marco Gomes

Refugiadas da minoria religiosa Yazidi, vítimas do Estado Islâmico, em campo no Curdistão Iraquiano

De volta ao Brasil, fez do livro "Turismo de Empatia: Refugiados no Oriente Médio" uma ponte de apoio aos projetos sociais que conheceu.

A obra será lançada por meio de um financiamento coletivo no Catarse em que os apoios começam a partir de R$ 10. Todo o lucro obtido com a venda dos livros será destinado às iniciativas Família Aziz (brasileiros que ajudam refugiados na Jordânia) e Top Brazilian Sport Academy (escolinha de futebol que treina gratuitamente crianças e jovens no Iraque).

Segundo Talita, nesse tipo de turismo, mais do que os lugares, “o mais importante é ver, ouvir e sentir o que o outro tem a mostrar”. Além das crônicas, o livro contará com dicas de gastronomia e um passo a passo de como organizar uma viagem como a dela.

Por QSocial