logo_inova_slogan

Créditos: logo_inova_slogan

Quando a jornalista Mariana Bombonato Moraes e o músico Roberto Nascimento decidiram se casar, um ponto foi inegociável: a festa teria de ser ecologicamente sustentável e do jeito deles.

Vários detalhes fizeram a diferença na cerimônia, que aconteceu em novembro de 2015 em uma fazenda da região de Campinas (SP). Todos os amigos e parentes mais próximos decidiram participar do evento de forma ativa.

[img class="size-full wp-image-45071" src="https://queminova.catracalivre.com.br/wp-content/uploads/sites/2/2016/07/noivos-verdes-2.jpg" alt="Os noivos Roberto Nascimento e Mariana Bombonato Moraes, que decidiram fazer cerimônia com emissão zero de carbono" width="1000" height="667" ]

Os noivos Roberto Nascimento e Mariana Bombonato Moraes, que decidiram fazer cerimônia com emissão zero de carbono[/img]

Os docinhos ficaram por conta das amigas da noiva, o buquê foi feito pela mãe dela, uma tia designer fez o convite, que foi impresso em papel-semente de rúcula e a banda surpresa foi formada pelo noivo, a melhor amiga de Mariana e dois amigos franceses.

Os chinelos para descansar os pés dos saltos foram encomendados de uma comunidade de mulheres que reciclam pneus e trabalham com preços justos. Em vez de visitar inúmeros bufês para escolher quem seria o contratado, por exemplo, Mariana conta que fechou com o primeiro que visitaram e aprovaram, evitando viagens desnecessárias e o que ela chama de “leilão” de fornecedores.

Bandeja de docinhos identifica a pessoa responsável por eles para o casamento de Mariana e Roberto

Créditos: arquivo pessoal

Bandeja de docinhos identifica a pessoa responsável por eles para o casamento de Mariana e Roberto

Na decoração, poucas flores e vários vasinhos com temperos, que os cerca de 250 convidados levaram para casa. E todo o lixo produzido pelo casamento foi separado entre orgânico e reciclável.

O casal queria também que a emissão de carbono provocada pela cerimônia fosse compensada e, para isso, contrataram a consultoria Iniciativa Verde, que calculou todos os detalhes, incluindo voos de convidados que vieram de outros países. “Eles contabilizaram 13,65 toneladas de gases de efeito estufa, que foram transformadas em 87 mudas de Mata Atlântica, de oito tipos de árvores que foram plantadas em Extrema (MG). Era a nossa responsabilidade”, afirma Mariana.

Vista da área em Extrema (MG) que recebeu as 87 mudas de árvores nativas da mata Atlântica plantadas após o casamento de Mariana e Roberto

Créditos: divulgação/Iniciativa Verde

Vista da área em Extrema (MG) que recebeu as 87 mudas de árvores nativas da mata Atlântica plantadas após o casamento de Mariana e Roberto

Com o modelo de casamento construído colaborativamente entre amigos e parentes, ela diz que não sabe se poupou tempo, na comparação com o modelo tradicional da cerimônia, mas afirma que não se estressou e se aproximou das pessoas.

“Eu me surpreendi e me emocionei com a forma como os convidados participaram. Mesmo as pessoas que não estavam tão envolvidas embarcaram na brincadeira, depois me enviaram fotos dos convites que foram plantados, todo mundo ficou muito à vontade e o astral foi muito bacana, como queríamos.”

Por QSocial