Este robô pode ajudar a construir um senso de comunidade para as pessoas que vivem sem ninguém, espantando para lá a solidão. Parecido com um gato, Fribo é projetado para pessoas que moram sozinhas, mas que querem se sentir como se tivessem um companheiro de quarto.

Créditos: reprodução/Mashable

Com o robô Fribo, a solidão pode estar com os dias contados; veja como a ferramenta funciona

Quando Fribo ouve um barulho que é reconhecível para ele, o robô envia uma mensagem para outro Fribo na casa de um amigo, ou uma rede inteira de Fribos pertencentes a pessoas que o morador conhece.

Com ele, é possível saber o que as pessoas de seu relacionamento estão fazendo. Seus sensores e microfones avisam se alguém acordou ou chegou em casa. Isso está sendo chamado de “ambientes compartilhados virtuais” --o que gera companhia, mas evita comprometimento e louça suja.

Os projetistas esperam que o autômato impulsione as conexões diárias com os amigos e encoraje os usuários a participar de mais interações. Veja, abaixo, algumas imagens do robô:

1/4

Crédito da imagem: reprodução/Mashable

Com robô Fribo, falta de companhia pode estar com os dias contados

2/4

Crédito da imagem: reprodução/Mashable

Com robô Fribo, falta de companhia pode estar com os dias contados

3/4

Crédito da imagem: reprodução/Mashable

Com robô Fribo, falta de companhia pode estar com os dias contados

4/4

Crédito da imagem: reprodução/Mashable

Aplicativo integra funções de entrega de mensagens do robô Fribo

  • Crédito da imagem: reprodução/Mashable

    1/4

    Com robô Fribo, falta de companhia pode estar com os dias contados

  • Crédito da imagem: reprodução/Mashable

    2/4

    Com robô Fribo, falta de companhia pode estar com os dias contados

  • Crédito da imagem: reprodução/Mashable

    3/4

    Com robô Fribo, falta de companhia pode estar com os dias contados

  • Crédito da imagem: reprodução/Mashable

    4/4

    Aplicativo integra funções de entrega de mensagens do robô Fribo

Veja a reportagem completa no Mashable

Jovem de 14 anos desenvolve robôs inspirados em drosófilas